NOSSAS ENTREVISTAS

Tema: Linfonodos e Tireoide

 (071) 30... Ver mais >

Viva Mais Viva Melhor – Você já ouviu falar em linfonodos? Os linfonodos ou gânglios linfáticos fazem parte do sistema linfático e atuam na defesa do organismo. Existem centenas de gânglios linfáticos em todo o corpo que funcionam como filtros para substâncias nocivas. Os nossos linfonodos podem ficar inchados e doloridos, as conhecidas ínguas, em casos de infecção, inflamação e até mesmo câncer. Apesar de 95% delas surgirem por causas benignas, se persistirem por mais de um mês é hora de desconfiar de um problema que exija um cuidado maior. Hoje nós convidamos o doutor Gabriel Carletto, especialista em cirurgia de cabeça e pescoço, que vai falar um pouco da importância dessas pequenas estruturas na avaliação das doenças do pescoço, em especial para o câncer de tireoide.

Doutor, o que são os linfonodos e qual a sua função no nosso corpo?
Dr. Gabriel Carletto – Os linfonodos são pequenas estruturas localizadas em todo o organismo que tem função de defesa. Eles atuam como filtro de defesa para infecções virais e bacterianas.

Viva Mais Viva Melhor – Onde é que esses linfonodos estão localizados, doutor?
Dr. Gabriel Carletto – Nós podemos identificar os linfonodos em todo o organismo, na cabeça, no pescoço, região torácica, abdominal e membros inferiores. Em qualquer lugar do organismo nós podemos identificar linfonodos aumentados, inflamatórios ou doentes.

Viva Mais Viva Melhor – Qual que é a importância de se avaliar um linfonodo no pescoço, doutor Gabriel?
Dr. Gabriel Carletto – Na verdade, a avaliação de linfonodos é muito importante porque nós podemos estar lidando com problemas graves, com doenças neoplásicas malignas, então é preciso que estejamos atentos para no início do problema ter um diagnóstico preciso e assim uma maior chance de cura.

Viva Mais Viva Melhor – Quais são as causas para o aumento dos linfonodos (ínguas) no pescoço?
Dr. Gabriel Carletto – Na grande maioria das vezes as causas são inflamatórias e muitas das vezes não necessitam de nenhum tratamento. Os linfonodos como funcionam como nossa defesa eles estão aumentados em casos de infecção, de inflamação. Então na grande maioria das vezes são inflamatórios.

Viva Mais Viva Melhor – Caso essas ínguas apareçam no pescoço e persistam com crescimento progressivo, dor ou mesmo saída de secreção, o que deve fazer?
Dr. Gabriel Carletto – Procurar o seu médico. Aumento de linfonodos em 90% das vezes é uma reação do organismo para barrar uma infecção própria da nossa defesa. Porém, se um linfonodo está muito tempo aumentado, está arredondado, endurecido, isso pode sugerir uma neoplasia maligna, necessitando de um tratamento específico.

Viva Mais Viva Melhor – Qual é a relação das ínguas localizadas na região do pescoço com a tireoide, doutor?
Dr. Gabriel Carletto – O câncer de tireoide é um câncer que pode apresentar metástase já no seu diagnóstico. Não é incomum encontrarmos nos casos iniciais de câncer de tireoide a presença de linfonodos com metástase, com doença no pescoço. Então toda a tireoide após ser investigada, deve ser também avaliado o pescoço na procura de linfonodos patológicos ou com a metástase cervical. 

Viva Mais Viva Melhor – Íngua e linfonodos são a mesma coisa? Como saber a diferença?
Dr. Gabriel Carletto – Na verdade, a íngua popularmente é chamada justamente o aumento do linfonodo. Normalmente eles são uma estrutura muito pequenininha e quando eles começam a crescer as pessoas chamam de íngua. Então, seria a mesma coisa.

Viva Mais Viva Melhor – Os linfomas podem deixar os linfonodos doloridos?
Dr. Gabriel Carletto – Podem. Mas na grande maioria das vezes os linfonodos não doem quando são neoplásicos. As neoplasias malignas, os linfomas normalmente eles aumentam em volume progressivamente, estão endurecidos, fixos, normalmente não são dolorosos. Normalmente os linfonodos dolorosos são inflamatórios que não são patológicos, são reacionais, é a nossa defesa atuando para combater as infecções.

Viva Mais Viva Melhor – Doutor, como é que o câncer de tireoide normalmente se apresenta? Quais são os diferentes tipos dos cânceres na região do pescoço?
Dr. Gabriel Carletto – Normalmente ele é muito pouco sintomático. O paciente normalmente faz uma ultrassonografia cervical ou de tireoide, pedida pelo seu ginecologista, pelo endocrinologista ou seu médico clínico. Mas normalmente os sintomas são muito poucos. Quando é um nódulo que está grande, vem crescendo em tamanho, pode-se notar um nódulo palpável na região cervical, mas na grande maioria das vezes estamos vendo hoje em dia com a melhora da ultrassonografia, com o acesso maior à saúde, é cada vez mais o diagnóstico de nódulos muito pequenos. O câncer de tireoide pode ser dividido em papilífero, que é o mais comum, o folicular, o anaplásico e o medular. Então são 4 os tipos de cânceres de tireoide.

Viva Mais Viva Melhor – E o que fazer se uma pessoa achar que tem um nódulo no pescoço, doutor Gabriel?
Dr. Gabriel Carletto – A pessoa deve procurar o seu médico clínico, o seu cabeça e pescoço, o seu endócrino, para fazer uma avaliação. O exame físico é mandatório, a apalpação deste nódulo nos diz se ele é elástico, se ele é móvel, se é inflamatório, se é endurecido. Então o exame físico pelo seu médico é essencial. A partir daí é feita uma ultrassonografia que vai nos ajudar a dar uma suspeita ou não àquele linfonodo apresentado pelo paciente.

Viva Mais Viva Melhor – Como se trata o câncer de tireoide? Quais são os riscos e benefícios de cada uma dessas opções de tratamento?
Dr. Gabriel Carletto – O tratamento do câncer de tireoide é cirúrgico. Somente a cirurgia resolve o câncer de tireoide. Alguns pacientes necessitam de uma complementação com radioiodoterapia. Porém, nem todos os pacientes fazem iodo após a cirurgia. Os riscos mais diretamente envolvidos na cirurgia é a alteração da voz com rouquidão, disfonia e a baixa do cálcio que nós chamamos de hipoparatireoidismo.

Viva Mais Viva Melhor – Em que situação o câncer de tireoide pode ser fatal e quais as chances de cura deste tipo de câncer?
Dr. Gabriel Carletto – O câncer de tireoide raramente é fatal. Existe um tipo de câncer de tireoide que é o anaplásico, que este sim é muito grave. Normalmente a sobrevida são 6 meses. Mas é muito raro. É muito raro este tipo de câncer, então graças a Deus a chance é pequena. Os mais comuns que são os papilífero e folicular as chances ultrapassam 98% de cura com o tratamento bem feito e a cirurgia bem realizada.

Viva Mais Viva Melhor – É possível que o câncer de tireoide se espalhe para outras partes do organismo?
Dr. Gabriel Carletto – É possível sim. É até comum que já no diagnóstico ou após a cirurgia apareçam linfonodos doentes. É possível apresentar metástases já nos quadros iniciais ou durante o segmento esses nódulos aparecerem. Normalmente os mais comuns são linfonodos cervicais, no próprio pescoço, mas algumas vezes a doença pode ser encontrada à distância, no pulmão e nos ossos principalmente.

Viva Mais Viva Melhor – A cirurgia para o câncer de tireoide precisa tirar também os linfonodos cervicais? Isso gera algum inconveniente?
Dr. Gabriel Carletto – Normalmente nós só avaliamos e ressecamos os linfonodos cervicais se a gente tiver a suspeita no pré-operatório de metástase. Se o paciente vai para a cirurgia com o diagnóstico de câncer de tireoide e também tem metástase no pescoço, na mesma cirurgia da tireoide nós fazemos os chamados esvaziamentos cervicais, que é a remoção cirúrgica desses linfonodos infectados. Podem existir complicações secundárias às cirurgias dos elementos cervicais. O paciente pode perder uma glândula paratireoide e isso acarretar uma baixa do cálcio permanente para a sua vida. Também pode ocorrer lesões do nervo recorrente nas cirurgias maiores e lesões também de estruturas nobres. Portanto, o esvaziamento cervical deverá ser feito mediante a confirmação patológica e citológica da neoplasia. 

Viva Mais Viva Melhor – Doutor, há alguma relação com o estresse da vida moderna e a quantidade de casos? Porque esse tipo de problema na tireoide tem afetado muita gente.
Dr. Gabriel Carletto – Realmente houve um crescimento muito grande do número de cânceres de tireoide. Isso se dá em parte pelo aumento e melhora do exame de imagem de ultrassom. Hoje em dia temos aparelhos melhores que diagnosticam nódulos menores que antigamente não tínhamos diagnóstico. Porém houve também o aumento absoluto no número de câncer. Nós não sabemos ainda qual o fator específico que vem dando esse crescimento tão grande em relação ao câncer de tireoide, porém a irradiação é um dos fatores de risco que nós precisamos tomar cuidado, mas ainda não reconhecemos qual é o fator determinante.

Viva Mais Viva Melhor – Ok. Conversamos com o doutor Gabriel Carletto, especialista em cirurgia de cabeça e pescoço. Doutor, muito obrigada e até a próxima.