NOSSAS ENTREVISTAS

Tema: Glaucoma

 (071) 32... Ver mais >

Viva Mais Viva Melhor – Hoje vamos falar de uma doença que chega sem avisar, fica em silêncio e é muito perigosa. Nós vamos falar do glaucoma, que é uma patologia crônica capaz de causar cegueira se não for tratada a tempo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada ano são registrados 2,4 milhões novos casos de glaucoma no mundo. Apesar de não ter cura ela pode ser controlada com colírios, com laser e até intervenção cirúrgica. Para esclarecer melhor essas dúvidas, as dúvidas mais frequentes, quem conversa conosco hoje é o doutor Moacyr Freitas, especialista em oftalmologia.

Doutor, o quê que é o glaucoma e como ele se desenvolve?
Dr. Moacyr Freitas – O glaucoma é o grupo de doença que danifica o nervo ótico e resulta em perda de visão e cegueira. No glaucoma, por razões ainda desconhecidas, o fluido drena muito lentamente para fora do olho. E à medida que o fluido se acumula, a pressão dentro do olho aumenta e pode ocorrer dano no nervo ótico.

Viva Mais Viva Melhor – E porque que ocorre esse aumento da pressão no olho? Há alguma relação com a pressão arterial, por exemplo?
Dr. Moacyr Freitas – Não existe uma causa bem definida para explicar o porquê isso acontece. Basicamente a área de drenagem deixa de funcionar adequadamente e o líquido fica represado dentro do olho. A pressão ocular e a pressão arterial são duas pressões distintas. A pressão arterial é existente nos vasos sanguíneos e a pressão intraocular é existente dentro do olho. Estudos mais novos mostram que a hipertensão arterial elevada e descontrolada a longo prazo pode aumentar o risco de glaucoma.

Viva Mais Viva Melhor – Qual que é a pressão intraocular considerada normal? Ela precisa ser igual para ambos os olhos?
Dr. Moacyr Freitas – A pressão intraocular normal varia entre 8 a 21 mmHG, quando essa se torna maior do que 21 mmHG começa a haver risco de lesão do nervo ótico e pode ser diferente entre os olhos. O paciente com diagnóstico de glaucoma necessita de pressões mais baixas.

Viva Mais Viva Melhor – Essa pressão alta causa algum tipo de incômodo? Quais são os sinais e sintomas do glaucoma, doutor?
Dr. Moacyr Freitas – O problema do glaucoma é o fato de ser uma doença silenciosa. Já que o simples aumento da pressão intraocular não é capaz de causar nenhum sintoma. Dor nos olhos só costuma ocorrer quando a pressão está altíssima, normalmente acima dos 40 mmHG. Sinais de baixa visual aparece em fases mais avançadas da doença.

Viva Mais Viva Melhor – Já que a doença não apresenta sintomas na sua fase inicial, como é que se faz um diagnóstico do glaucoma de forma precoce?
Dr. Moacyr Freitas – Como o glaucoma é uma doença silenciosa, somente a avaliação com o oftalmologista é capaz de identificar o glaucoma em fases iniciais, o que é essencial para evitar lesões irreversíveis no nervo ótico. Então durante a avaliação do glaucoma o seu oftalmologista deverá realizar diversos testes diferentes para chegar ao diagnóstico. Geralmente o primeiro exame realizado é a tonometria, que é usada para medir a pressão intraocular. Esse exame deve ser feito rotineiramente em toda a consulta oftalmológica. Outro exame importante é o exame de fundo do olho que é a fundoscopia, ela é realizada para avaliar o nervo ótico. Existem outros exames mais específicos, mas estes são os principais, a tonometria e o fundo do olho.

Viva Mais Viva Melhor – Feito o diagnóstico, doutor, quais são as opções de tratamentos que são disponíveis atualmente para controlar o glaucoma?
Dr. Moacyr Freitas – O melhor tratamento é feito com colírio. Em casos mais graves, quando os colírios já não mais funcionam ou em glaucomas de ângulo fechado pode ser necessária a cirurgia para desobstruir a drenagem do humor aquoso.

Viva Mais Viva Melhor – Os colírios devem ser usados para a vida toda ou depois de algum tempo o tratamento pode ser interrompido?
Dr. Moacyr Freitas – O glaucoma não tem cura e as lesões já existentes não podem ser revertidas. Portanto, o objetivo do tratamento do glaucoma é reduzir a pressão ocular e evitar o aparecimento de novas lesões do nervo ótico. Então os medicamentos devem ser usados de forma contínua.

Viva Mais Viva Melhor – Qual seria aí o intervalo ideal entre uma consulta ou exame para o controle do glaucoma?
Dr. Moacyr Freitas – O acompanhamento deve ser o mais individualizado possível, depende muito do paciente, da agressividade da doença e também da fidelidade do paciente ao tratamento. A recomendação ideal é que seja feita a cada 3 meses.

Viva Mais Viva Melhor – Doutor, quem está mais propenso a desenvolver a doença? Crianças também podem ter o glaucoma?
Dr. Moacyr Freitas – O caráter hereditário é o fator principal para o desenvolvimento do glaucoma. Pessoas que têm casos na família da doença têm maior risco do que aquelas pessoas que não têm história familiar. Pacientes depois dos 40 anos devem consultar o médico e fazer o exame com regularidade, mesmo que enxerguem bem. Como já disse, o glaucoma não provoca sintomas no início e pode progredir lenta ou rapidamente. No entanto, a visão se for perdida não será mais recuperada. Em relação às crianças, elas podem já nascer com glaucoma, que é o glaucoma congênito e pode ser identificado já no teste do olhinho.

Viva Mais Viva Melhor – O glaucoma pode deixar o paciente cego, doutor? Essa cegueira pode ser reversível?
Dr. Moacyr Freitas – Quando a pessoa percebe a baixa visual a lesão já é extremamente grave. De um modo geral a perda da visão é progressiva e lenta. É mais pela periferia do que do centro, mas a pessoa continua enxergando. Então é preciso perceber o comprometimento de determinada área do campo visual, principalmente o campo visual periférico quando a área central não está prejudicada. 

Viva Mais Viva Melhor – Você falou anteriormente que o glaucoma não tem cura, mas tem como prevenir o glaucoma?
Dr. Moacyr Freitas – O glaucoma é uma doença crônica que não tem cura, mas tem controle. Por isso é importante o comprometimento do tratamento.

Viva Mais Viva Melhor – E o tratamento para o glaucoma é um tratamento muito caro? Há cobertura pelos planos de saúde? É possível realizar esses procedimentos que você citou pelo Sistema Único de Saúde (SUS), doutor?
Dr. Moacyr Freitas – O tratamento cirúrgico nos casos mais graves para glaucoma tem cobertura pelos planos de saúde e pelo SUS, mas o tratamento clínico apenas o SUS disponibiliza de forma gratuita os medicamentos. Para quem precisa de múltiplas drogas para o controle da pressão os custos desses medicamentos são elevados.

Viva Mais Viva Melhor – Ok. Conversamos com o doutor Moacyr Freitas, especialista em oftalmologia. Doutor, muito obrigada pelos esclarecimentos.